Model 40 Special Speedster



Em 1932, Edsel Ford, filho de Henry e então presidente da Ford Motor Company, pediu ao projetista chefe da marca, E.T. "Bob" Gregorie, a criação de um carro esportivo pessoal, semelhante aos que ele vira em sua viagem a Europa. Deveria ser pequeno, leve e que transmitisse o verdadeiro prazer de dirigir.

Após ver a decepção de Edsel com o primeiro modelo, Gregorie voltou-se novamente para as pranchetas com o objetivo de tornar realidade o desejo de seu chefe. Em 1934 apresentava o Model 40 Special Speedster.

A partir de um coupê Ford 1934 (conhecido como Model 40), construiu um roadster "continental". O chassi foi radicalmente alterado para criar algo completamente diferente do que a Ford fabricava até então.

O entre-eixos foi mantido quase inalterado (ganhou somente 26 mm). Apesar disso ele parece maior e mais baixo que o carro original, devido principalmente ao rebaixamento do chassi e a "movimentação" do cockpit em direção a traseira em formato de cunha.

Gregorie, Robbie Robinson, supervisor da Lincoln, e o pessoal da Ford Aircraft, divisão de aviação da marca, desenvolveram uma carroceria roadster fabricada em chapas de alumínio fixadas a uma armação tubular soldada, também de alumínio, que fazia as vezes de estrutura. Os pára-lamas feitos a mão tinham uma história curiosa: por algum tempo acreditou-se que fossem versões modificadas dos existentes no avião Ford Trimotor, versão desmentida pela própria Ford Aircraft.

Para empurrar os 952 kilos do Speedster, foi instalado inicialmente um motor Ford V8, que produzia 75 cv, derivado de um cupê 1934. No inverno de 1939 o bloco rachou e a saída foi substituir o conjunto motriz por um V8 Mercury 09A de 239 polegadas cúbicas, capaz de produzir 101 cv. Os escapamentos diretos foram embutidos na carroceria para diminuir o efeito aerodinâmico.

Para corrigir um problema de superaquecimento, a grade bipartida original deu lugar, em 1940, a duas entradas de ar menores e em posição mais vertical logo acima do prolongamento da dianteira com outra entrada em posição horizontal. Essa nova configuração permitiu a instalação do radiador sem a necessidade de incliná-lo e tinha influência no design do Lincoln Zephyr, também criado por Gregorie. Os faróis colocados em frente ao eixo dianteiro garantiam visibilidade ao motorista.
Apesar dessa mudança, o design limpo agradava e a cor chamada de Pearl Essence Gunmetal Dark caiu como uma luva.

O interior recebeu atenção especial. Apesar do luxo inexistente, o acabamento esmerado salta aos olhos. Os bancos foram revestidos de couro cinza e o painel em chapa de alumínio ganhou instrumentos da Lincoln. Para maior comodidade um botão acionava a partida. Após a mudança na dianteira o Speedster recebeu um velocímetro novo, que chegava a 160 mph (cerca de 200 km/h) e instrumentos Stewart-Warner.

Três anos depois de ficar pronto, Edsel Ford faleceu. Desde então o carro passou por diversos donos acumulando modificações:

1943
Após a sua morte em maio, o Speedster, no valor de 200 dólares foi passado à sua mulher, Eleanor Clay Ford.

1944
Acredita-se que tenha sido vendido, provavelmente no final de 1944, a um comprador em Atlanta por US$ 1.000.

1947
Enviado para Los Angeles, ficou guardado em uma garagem.

1948
Um anúncio classificado na edição de maio da revista Road & Track trazia o seguinte texto:

Chassi Ford especialmente construído. Carroceria em alumínio construída para Edsel Ford. Agora equipado com motor Mercury especial. Preço razoável de US $ 2.500. COACHCRAFT, LTD, 8671 Melrose Ave.

Em fotos preto e branco, o carro parecia ser pintado de preto ou vermelho e existia uma antena de rádio sobre o capô. O motor Mercury havia sido modificado com um coletor de admissão duplo Thickstun para carburador, um comando de válvulas mais "bravo" e cabeçotes de alta compressão Edelbrock.

1952
Apareceu na Revista Auto Sport, fotografado em Hollywood com uma aspirante a atriz chamada Lynn Bari.

1957
Conduzido ou transportado de volta para a Geórgia.

1958
Registrado na Flórida como um Ford Speedster Customizado 1940. Vendido por 603 dólares a John Pallasch, um marinheiro americano. Foi pintado de vermelho e teve o estofamento trocado por couro tingido também de vermelho, provavelmente para uma aparição em um filme de Hollywood. O filme não foi localizado.

1960
Pallasch desmontou parcialmente o motor para reconstruí-lo. Antes que pudesse fazer isso foi enviado para o Vietnã, e, após seu retorno, o motor tinha sido apreendido.

1999
Bill Warner, fundador da Amelia Island Concours d'Elegance, comprou o Speedster de Pallasch. De acordo com Warner, "O Speedster estava parado na garagem Pallasch, coberto com latas de lixo e estanho, de modo que ninguém poderia saber que estava ali. O velocímetro tinha pouco mais de 19 mil milhas."

Em seu caminho de volta para Amelia Island, Bob Warner visitou Gregorie que estava com 91 anos de idade e residindo em St. Augustine, Florida. Warner informou que o Sr. Gregorie saiu de sua casa, sorriu e disse: "Eu não o via desde 1940. Ele ainda parece muito bom para sua idade." De acordo com a Warner, Gregorie confirmou que o Speedster foi originalmente cinza escuro com estofamento em couro cinza. Ele também comentou que o Speedster "parecia realmente bom em vermelho."

Warner considerara uma restauração completa do carro para a primeira interação do Speedster, mas decidiu preservar a aparência dele. Renovou a pintura e reconstruiu o motor, mantendo o coletor admissão Thickstun e removendo os cabeçotes Edelbrock.

2008
Em março, Warner vendeu o Speedster num leilão em Amelia Island por de 1.76 milhões de dólares para o colecionador texano John O'Quinn. Após a morte prematura de O'Quinn em 2009, Edsel Ford II, comprou o Speedster para a exposição permanente Edsel & Eleanor Ford Estate.

2010
Em agosto, a Edsel & Eleanor Ford House enviou o Speedster para a RM Restorations em Blenheim, Ontario (Canadá), onde foi analisado de perto, exaustivamente fotografado e, em seguida, com cuidado completamente desmontado.

2011
O Model 40 Special Speedster restaurado foi revelado no Pebble Beach Concours d'Elegance em 19 de agosto de 2011.

© 2017 Guia de Automóveis